terça-feira


O CARMA DE UM POVO QUE FOGE A LUTA...

Ao invés de pagar para as pessoas ficarem vagabundeando o governo poderia usar o bolsa-família para criar um seguro desemprego. Nossas cidades andam imundas e todo esse pessoal que recebe o bolsa família poderia ser usado como frentes de trabalhos num grande mutirão de higiene e limpeza em todas as ruas e bairros do Brasil. Quem recebe o bolsa-familia usa o dinheiro para comprar cigarros, cachaça e drogas e a mães somente vão os posto de saúde fazer a puericultura porque ficam em pânico somente em pensar em não receber o bolsa família e faltar dinheiro para o “canceroso” (Cigarros) e a boa e velha cachaçinha.  A idéia do bolsa família é ótima! O problema é o proletariado brasileiro e os políticos que fazem uma grande competição para ver quem consegue ganhar dinheiro sem trabalhar. Os pobres pedem e esmolam se queixando da vida enquanto os políticos aumentam os impostos para resolverem seus problemas pessoais e dão uns trocadinhos para o povo miserável. Ambos saem ganhando, pois os pobres ganham sua graninha, mas acabam morrendo como formigas em seu formigueiro sendo esmagadas por um grande pé chamado sistema quando precisam de assistência a saúde, segurança e serviços essenciais e os políticos ficam cada vez mais ricos, bossais, esnobes e brindados. Carma e Darma. Para nós que não estamos alienados e sabemos que o governo não passa de uma mera formalidade para manter o pais quieto e organizado e que ele nada tem a ver com nossos fracassos financeiros podemos assistir tudo torcendo ou até mesmo participando para as coisas darem certo ou errado, de acordo com nosso espírito de torcedor ideológico. Tendo um bom plano de saúde, uma boa grana no banco para pagar um ótimo advogado caso de alguma zebra em nossa existência e podemos olhar de camarote o teatro onde proletários, intelectualoides, pessoas politicamente corretas, utopistas, mídia e políticos fazerem o verdadeiro show da vida. O grande espetáculo da história até que é divertido, às vezes cômico, mas nas maioria das vezes trágicos. Uma tragicomédia onde derrotas e vitorias se alternam num novela sem fim onde o bem, embora nunca desista, sempre é derrotado no final de cada batalha.



OS SABATISTAS E A FALSA DEVOÇÃO
Não vejo nenhum problemas em fazer uma oração ao ficar preso no transito ou ao beijar a boca da mulher amada numa conexão direta com Deus. Costumo no meu dia-a-dia a cada palavra falar com Deus e estar 24 horas conectado a ele mesmo que saiba o que ele seja ou sequer tenha certeza de sua existência, pois o mais perto que chegamos dele foi com a descoberta do átomo. Penso que Deus seja uma grande força cósmica com fins benéficos para a humanidade. Acho estranho algumas religiões místicas como os Mórmons (Imagino que Joseph Smith gostaria que sua igreja se modernizasse. Eu achava o maximo quando eles permitiam a poligamia, mas depois caretearam e ficaram num lugar comum entre as religiões tradicionais norte-americanas – Uma espécie de Amish pró-sistema!). Porque dedicar somente ao sábado a Deus?(Aquela velha desculpa de ser o único dia que da para juntar a família não cola porque família que se gosta fica junto todo o dia e agora com internet e celular nem se fala!) Não sabem mascar chiclete e caminhar ao mesmo tempo? Deus exige 24 horas de dedicação e dar a ele somente um sábado é uma heresia. Aqui no Brasil nós temos a nossa igreja prafrentex – A Igreja Universal do Reino de Deus que não fica aporrinhando e se dizendo vitima de humilhação em qualquer coisa que tenha que ser feita obrigatoriamente num sábado!Não consigo me imaginar trabalhando, estudando ou amando sem estar me conectando a Deus em uma oração permanente. Que me perdoem, mas creio que Deus ache isto uma autopromoção e nada mais e não deve ficar em nada contente com este tipo de atitude retrograda.