segunda-feira


CONTROLE DE NATALIDADE
Para que esta verdadeira competição para sermos a segunda cidade mais populosa do RGS? Porque é tão importante para uma cidade a quantidade de habitantes? Porque essa guerrinha de vaidades com Caxias do Sul que nada tem a ver conosco e com nossos fracassos e vitorias? Pelotas não precisa ser a mais populosa e sim ser uma cidade que ofereça uma qualidade de vida diferenciada aos seus cidadãos. O censo não precisa de exatidão e alguns milhares de pessoas não farão diferença alguma no final das “contas”. Seria muito mais legal para Pelotas uma estabilização populacional do que se tornar um formigueiro humano. O que seria mais interessante daqui a um século: Uma cidade com o seis milhões de habitantes no maior estilo de Daca, capital de Bangladesh, ou um uma cidade que mantenha sua população estável como Zurich e seus 365 mil habitantes de bem com vida e com tudo que tem direito e um pouco mais? Crescimento não é sinônimo de aumento populacional. O mais impressionante que tem pessoas que ficam orgulhosos quando falam do numero de habitantes como motivo de orgulho. Imaginem o ego dos paulistanos e suas 12 milhões de almas? Essa sim: Uma cidade “grande” no pleno sentido da palavra. Pelotas tem que comportar o numero de pessoas que ela possa empregar e dar plenas condições de vida e quanto menos pessoas, mais fácil isto acontece.  Hoje investir no futuro de Pelotas e investir no controle de natalidade, nem que para isso seja preciso acabar com o bolsa- família e sua geração de crianças em série que os pais fazem para receber o benefícios. Esquecer os números de habitantes e o marketing que ele dá ao município e buscar este marketing de uma maneira bem mais profunda com ações sociais efetivas e reais: Um caminho difícil, mas compensador para o cidadão e para a prefeitura.
André Luís de Oliveira Leite



A TERRA É AMARELA
Obrigado Mao Tse Tung... se não fosse a China quanto estaríamos pagando por um eletrônico?Alguém tinha que entrar com a mão de obra grátis para baratear as bugigangas.  Com uma filmadora de R$ 300,00 podemos fazer produções com mais recursos que o Cecil B. de Mille a pouco mais de 50 anos. Deus é chinês. Esta possibilidade de uma nova revolução tecnológica a cada dia mudou o mundo e as economias se adaptaram sem muita frescura, pois barbadinha é bom para todo mundo. Agora imaginem o preço que não estariam às coisas se os chineses não tivessem um rígido e até mesmo desumano controle de natalidade?
André Luís de Oliveira Leite