quarta-feira

MARLENE /1997


Eu olhava para Marlene. Ela tinha 30 anos. Sua calça justa. Sua blusa decotada deixando seus belos seios a mostra. Seu jeitinho sambando. Fico fascinado ao ver seus pés equilibrados sobre aquele salto alto. Na minha cabeça passava mil coisas. Eu queria fazer amor com Marlene. Não somente transar, mas dividir. Colocar algo de mim dentro de seu corpo. Eu tomava uma cerveja atrás da outra. Meu pênis estava um ferro. Aquele corpo me seduzia, me enlouquecia com seu gingado. Um homem a tirou para dançar. Ela aceitou e foi para a pista de dança. Eu resolvi me sentar numa mesa para ver de perto aquela mulher dançar. Não conseguia mais esconder minha ereção. Via-a gingando ao som daquele batuque e seu corpo se oferecendo a outro, ou a outros. Eu sentia meu pênis latejando a cada passo de Marlene. Eu estava eu transe. Eu dava tudo para transar com aquela mulher e sentir o gosto de seu sexo em minha boca. Levantei-me e cheguei perto do casal que dançava uma balada lenta num vai e vem de amor impressionante. Marlene parecia no cio ao dançar, na pista lentamente, desviando entre os casais cheguei ao lado de ambos. Ele agarrava uma nádega de Marlene indiscretamente e quando vi aquela bunda não resisti à tentação. Passei lentamente a mão na costura da calça levando por toda a nádega livre. Levei um susto quando ela virou o rosto e me olho com cara feia. Fui ao banheiro e passei água no rosto. Resolvi voltar para a pista para me deliciar com aquele corpo. Jamais ela iria ter certeza se eu tinha passado à mão ou era apenas um acidente. Quando vejo Marlene esta dançando e olha direto para mim sobre o ombro de seu parceiro. Meu coração disparou. Quando vi ambos foram para a rua e ao sair Marlene deu uma olhada para trás.Fui até a portaria e a vida entrar no carro do magrao e sorrir a me ver na porta com um cão desesperado. Provavelmente eles foram direto para o motel.Eu fiquei enlouquecido e fui para casa me masturbar pensando em Marlene.Anos a fio até que um dia a esqueci...