quinta-feira

APENAS MAIS UM BOST...

La vinha o Dedé em sua Bizinha a 100km/h (na verdade 60km/h mas por liberdade poética eu aumentei para 100km/h) parecendo um gafanhoto aleijado clonado com a formiga atômica.Tchê/Puta que o pariu...Eu tinha tomado alguns copos de suco de laranja para descabaçar um espremedor que comprei a R$ 39.00 nos camelos. Senti-me um cara rico para caramba, pois aos 40 anos eu consegui adquirir um objecto dos sonhos desde que eu era um esperma.Tomei um suco de vinte laranjas testando o bagulho ““ Parecia que eu tava tomando vodka e já imaginei a mesa das novelas do” Manuel Carlos”, nos cafés da manha no “Lebron”.Isso depois de ter comido feijoada no almoço. Eu ir fazer “uns rolos nuns vinis “do Nagiel com uma gurizada metaleira e ganhar o dia.Tudo estava ótimo! O ventinho no rosto! A buraqueira das ruas de Pelotas e...de repente: sinto uma fincada no estômago. Meu esfíncter me mandou um recado!!! – SOS comportas estouram.OFF...- Onde agora? Eu, que sou cheio de frescuras e que são faço coco em casa que não tem bidê!!!Eu tava com um agasalho que comprei na Renner em 8 vezes com juros e uma cuequinha. Eu tinha que vencer a velocidade da minha própria" merda". Não é fácil um homem vencer sua própria" merda!”– Rua Frederico Bastos – campo do Bairro Simões Soccer Clube. Entrei lhe de motoneta campo a dentro dando pinote numa buraqueira sob o olhar atento do borracheiro Gladimir que me conhece há trinta anos e deve ter achado que eu estava treinando desta vez para tentar virar piloto de MotoCross. Quando cheguei no meio do campo , esqueci das casas,e das janelas das casas e o pior, os olhos nas janelas das casas. Foi o tempo de desembarcar da Biz e baixar o abrigo bem onde à bola fica parada esperando o primeiro toque num partida de futebol. La está eu: Uma mochila com vinis da década de 80, cagando o meio de um campo de futebol, sendo iluminado pelo sol. Depois de passar a caganeira comecei a raciocinar como é o ser humano- cuecas viraram um rico papel higiénico – Cada cueca sai R$ 3,00 – foi uma enxugada de merda caríssima. A vida nós prega cada peça. Quando e onde menos esperamos acontece algo espetacular que faz tudo se transformar. A vida é uma grande aventura. Uma caganeira na hora errada e no momento errado é uma baita adrenalina- Deixa o Skate e o Rapel no chinelo. Por essa e por outras, embora a vida seja uma bosta, eu a curto , viver me faz rir de mim mesmo e de mais sete bilhões de pessoas, fazendo macacadas uma para as outras, e acharem que são civilizados e espiritualizados. Foda...