quinta-feira

DESABAFO

Fazia muito tempo que não via o estado dar uma acertada. O fim do diploma para exercer a profissão de jornalista devera mudar a cara do jornalismo brasileiro. Todos nós sabemos que o ensino universitário limita a criatividade do estudante colocando regras e vícios evitando que o aluno seja ele mesmo passando a ser uma marionete de técnicas que podem e devem ser alteradas para acontecer à evolução . Todos os semestres de cursei de Jornalismo na UCPEL nos anos 80, até eu ver que o curso era um fiasco e sair fora, foram à maior perda de tempo da minha vida, desde a limitação dos professores ate uma desorganizarão vergonhosa da universidade. Musica, esporte ou outros dons natos não se ensinam em universidades – podem aperfeiçoar mais os mestres devem saber mais que os alunos e o que nem sempre acontece. A tendência é o mercado se abrir para profissionais diferenciados, capacitados, cultos, inteligentes e formadores de opinião e não apenas papagaios de pirata repetitivos e sem graça. Lembro de um professor da UCPEL dizendo para mim, que se jornalista podia trabalhar sem se formar ele podia exercer a medicina( ele ia se dar muito bem em “andrologia” pois gostava muito desta parte do corpo masculino, principalmente de “ninfetos”). Isso prova a alienação dos “mestres” e com “mestres” assim coisa boa não sai.Podem contar: Uma nova era esta começando na comunicação brasileira onde os mais talentosos serão valorizados e os medíocres ficarão no limbo de onde nunca deveriam ter saído.