terça-feira

O DIA QUE CAGUEI IZABO.

Não agüentava mais. Izabo- Era o nome que eu iria colocar se ela nascesse. Se aquele filho de uma puta tivesse gozado em minha boca ou no meu cú nada disso teria acontecido!Não sabia se amava ou odiava o que estava dentro de mim. Uma merda que poderia fuder minha vida.Buceta. Meu filho ou filha?! Eu não queria ter filho porra nenhuma.Aquele filho da puta do cara que me come tava mais cagado do que eu,tomando injeção de Valium com Velho Barreiro.Eu ia me fuder sozinha. Fui na Bianca.Ela fazia avião de pó para o filho da puta. Eu tinha vomitado.Elas Chegaram:Dois Citotec na buceta e dois no pela boca. Izabo estaria morta, o pesadelo ia acabar e eu iria cagar Izabo matando minha filha, a filha que não ia acontecer. Que baita cagada. Eu ainda amo o filho da puta. Apenas um problema, o mesmo pesadelo do passado que me assombra e atormenta em uns determinados momentos...quando vejo Renato chegando da faculdade e me beijando.