terça-feira

MAES EM DESESPERO II




Mães em desespero,
Solidão e luzes,
Buscando amor,
Num mundo de dor,
Sou homem sozinho,
Numa cidade sem luz,
Pelos paises que viajei,
Nos templos do prazer,
Bioquímicos fazendo maquinas vivas de matar,
Busquei estranhas guerras que criei,
Busquei sexo num mundo superior,
Sou um homem sozinho,
Luta de gigantes em meu mundo de sonhos,
Amores fatais,
Crianças de todos os mundos
Bagdá, Jacarta, Tóquio, Pequim ou Istambul,
Vi uma cidade de tolos se matando,
E matando de remorso um Deus e um Profeta,
Trepei com as guerreiras dos grandes rios amarelos fazendo amor e vendo sua dor...
Com Hercules currei as virgens numa orgia de heróis interminável,
Dante fazendo amor com Beatriz em carros de fogo,
Medusas e cobras trepam nas escadas para um Cristo,
Esquecido e castrado,
Carrinhos de mão, homens-mulheres fudendo,
Camihões-tratores, pulgas & putas,
Bascos viados,
Terroristas , suicidas , parasitas
Paranóia de prazer,
Bichas gatos,
Quilos de baganas de ervas vagabundas como as mulheres que eu não comi...
Eunucos garanhões gaúchos,
Castrados pela própria vergonha.
Piratas, bucaneiros e seus carinhosos grumetes,
Capitão Nemo e seu namorado,
Tristeza e prazer,
Filhos de mães sem pai,
Vielas escuras,
Machos se amando,
Passivo que é ativo que é passivo,
Terno e gravata
Ou batina
A vitória da hipocrisia.