quinta-feira

A VIDA E A NECESSIDADE DE AMAR

O teu corpo é um bombom em minha boca
Um som que se quebra em minha língua
Um licor que escorre sensual
Não há nada igual
Minha língua do teu corpo inquilina
Teu licor que minha boca indisciplina
Nada igual
Tua dor,
teu louco riso
Teu pouco juízo
Final.

4 comentários:

  1. O único cheiro que eu sentia era o de flores, o que já estava bem enjoativo na verdade. O corpo não exalava fedor ainda, é por isso que precisa ser enterrado logo. Não escrevi a morte com glamour, escrevi exatamente o que sinto.

    ResponderExcluir
  2. gostei do texto!
    há momentos que senti um climax e uma leve sensação de euforia. Além disso, achei bem montado e da pra "entrar" no poema e ficar envolvido!
    Adorei seu blog, agora estou sem tempo, mas depois eu leio os outros textos.
    E adorei o nome: mechupanaplacenta.
    Muito criativo e irreverente, único!
    E depois volte ao meu blog, ainda está no começo, mas eu já fiz outros textos e video pra colocar lá.
    Adios!

    ResponderExcluir
  3. Com certeza, e já te passei um e-mail com um banner e o codigo pra vc por no seu blog, enquanto isso vou por o link do seu blog no meu.

    Qualquer coisa pode me chamar

    MSN: renatokleber33@hotmail.com
    E-MAIL: maskedyoung@gmail.com
    ORKUT: http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?uid=14540300298034212894

    Já somos Parceiros, Abraço

    ResponderExcluir
  4. obrigada pela aula sua rsrsrsrs

    ResponderExcluir

Fala tchê: