sexta-feira

EU


Também, em muitas vezes já escrevi sem pensar,
Olhei sem ter a que ou a quem olhar ou admirar,
Amei sem ser amado e senti medo sem ter necessidade de me acovardar...
Apenas vicio.
,Fiz de tudo um pouco e aos poucos,
Agora apenas me amo, amando ao mundo e suas maravilhas e monstruosidades.
Sem [precisar amar a mais ninguém – pois amor é todo.]
A vida me sorri e eu sorrio para vida.
Numa epidemia de bons momentos
Fazendo do eterno sentimento de se estar vivo um infinito anseio de querer viver a vida como ela é...

5 comentários:

  1. Sem solidão,apenas se dedicando a si próprio....belo texto...

    abraçosss

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado pelo comentário,
    quem sabe um dia isso não acontece?
    Acho que só falta uma real proposta.


    http://putoanonimo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. mto bonito o poema..nao soh esse alias..os outros tbm..

    mto bom seu blog..

    bjos

    ResponderExcluir
  4. Hummm, quanta sensibilidade e quanta coisa pra refletir!!! Lindos poemas, lindo blog... Adorei vir aqui!!!


    Bjos

    ResponderExcluir
  5. Eu tenho esses desejos de me libertar de tudo aquilo que me prende.
    Tem vontade de criar assas e voar sem destino sem aviso prévio...

    http://hdebarbamalfeita.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Fala tchê: